Mulher e saúde

Vamos falar de um assunto sério?

Hoje nós sabemos que as mulheres estão muito mais ativas do que antigamente.
O que eu quero dizer com ‘ativas’ é que hoje as mulheres não cuidam ‘apenas’ da casa e dos filhos (o que já é uma tarefa bem desgastante, por sinal)… hoje, além de cuidarem da casa, do filhos e do marido, nós ainda mantemos um emprego fora de casa, encara trânsito, estuda, pega filho na escola, pensa no que vai fazer pro jantar; ou seja, muitas de nós tem tanta coisa acontecendo na vida que chega uma hora que a gente não sabe o que faz primeiro… não é assim?

Mas é preciso desacelerar, sabia?

Não adianta a gente querer ser multitarefa, querer abraçar o mundo com as pernas, querer resolver todos os problemas, se descabelar, mas não cuidar também de quem cuida de todos… cuidar de nós mesmas!

Houve uns dias aí em que eu andei meio estranha, sabe? Estava ou sempre nervosa ou sempre triste, estressada, sem vontade de fazer nada, me sentindo feia, gritava por qualquer coisa, sentia uma angústia no peito, exigindo perfeição nas coisas que fazia, não tinha energia e ânimo para cuidar das meninas e nem da casa… até que um dia eu tive um ‘clic’. Essa pessoa não era eu de verdade. Alguma coisa estava errada comigo e pensando em tudo, vi que eu estava tentando ser a super mãe, a super esposa, a super profissional, a super mulher… mas meu corpo e minha mente não estavam acompanhando esse ritmo! Eu estava exigindo uma perfeição da minha pessoa e de tudo ao meu redor e isso é algo humanamente impossível.

O que eu estou querendo dizer aqui é que a gente vai levando com a barriga e quando a gente menos percebe já está à beira do precipício.
Consegui caminhar para o lado oposto desse precipício.
Eu precisava desacelerar e cuidar um pouco de mim.
Foi o que fiz!
Resolvi cuidar de mim. Dar tempo ao tempo para as coisas. Resolvo o que consigo aqui e agora, o que não posso e o que pode esperar, então vai esperar… estou aprendendo a exigir menos de mim e dos outros. Estou aprendendo a controlar minhas expectativas. Não adianta a gente sofrer por antecipação por algo que está fora do nosso controle. É aí que entra a fé… é aqui que entra Deus!

E por último, mas não menos importante… peça ajuda! Foi conversando com meu marido e com amigas e a ficha foi caindo aos poucos.

Então, amiga… se você se identificou um pouquinho que seja com esse post, para agora e vai cuidar um pouquinho de você, da sua saúde, do seu corpo e da sua mente. Gaste a sua energia com o que realmente importa!

Você merece esse carinho!